“Jerusalém é onde o homem encontra Deus”, diz o historiador Simon Sebag Montefiore

Jerusalem arco-íris

Jerusalém foi, por milênios, a ambição de impérios e de profetas, testemunhando a marcha de exércitos ao longo das linhas sangrentas da história para conquistá-la.

Essa cidade é, hoje, a ambição também do historiador britânico Simon Sebag Montefiore, que tomou para si a tarefa, digamos, bíblica de narrar em um livro os milênios de história desse ponto polêmico do mapa-múndi.

Foram três anos de pesquisa compilados em 832 páginas, na edição lançada no mês passado no Brasil pela Companhia das Letras.

Assim, Montefiore concluiu sua visão particular da cidade cujo nome “chamusca os lábios como o beijo de um serafim”, segundo o poema clássico de Naomi Shemer, “Jerusalém de Ouro”, cantado por Roberto Carlos em sua passagem pelo país.

“Foi a coisa mais difícil que já fiz”, diz à Folha. “Eu não dormi por três anos, porque tinha medo de deixar alguma informação de fora.”

Montefiore narra milhares de anos de história, dos assentamentos cananeus à gestão do atual premiê de Israel Binyamin Netanyahu.

“É um desafio tornar essa história legível”, diz. “Tive de encontrar um novo modo de escrever sobre a cidade.”

Foi uma sequência de decisões. Em primeiro lugar, escrever o que chama de “biografia” da cidade –a história das pessoas que estiveram ali. Daí vem outra escolha, que é a de costurar a narrativa por meio das famílias locais, como as dinastias do rei israelense Davi ou do sultão egípcio Saladino.

“Quis encontrar um jeito de contar a história das pessoas, e não apenas das pedras, das igrejas, dos castelos”, diz.”Além disso, uma história enorme como a de Jerusalém fica mais empolgante com dinastias como a de Herodes [polêmico rei judeu, submetido a Roma].”

Para isso, deixou de lado as teorias da historiografia que estudou em Cambridge, como a micro-história de Carlo Ginzburg (“O Queijo e os Vermes”), a favor de seu talento distintivo: a habilidade de contar uma boa história.

“É uma combinação de estudo acadêmico com a velha narrativa, além da habilidade de selecionar o que escrever. Também precisei estar atento ao que as pessoas comuns querem ler. Eles adoram amor, adoram morte.”

Amor e morte não faltam nas histórias dos líderes dessa região, quer fossem eles macabeus ou omíadas, que lutaram pela cidade que está na base do judaísmo, do cristanismo e do islamismo.

“Jerusalém é onde o homem encontra Deus”, diz Montefiore. “Essa crença é herdada. Quanto mais tempo o local for sagrado para alguém, mais sagrado vai ser para os outros. É infeccioso.”

Continue lendo o texto de Diogo Bercito no site da Folha de São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s