Dois pontos importantes

Quando comento aqui que sou brasileiro a pergunta que se segue é sempre: há anti semitismo no Brasil? Esta pergunta deriva da história de povo judeu que “está sempre pensando naquilo” como falava um personagem do inesquecível Chico Anísio. Se a resposta é não como tem sido sempre que me perguntavam, noto um alívio na cara do interlocutor. E fico orgulhoso porque isto significa também que minha aliá não foi causada por anti-semtismo e sim por sionismo puro. Isto me distingue da grande maioria dos cidadãos de Israel que, se não nasceram aqui, vieram, em geral, fugidos de perseguição em seus países de orígem.
Pelo que me contam amigos judeus brasileiros, entretanto, esta minha resposta não é mais válida. Um email deste fim de semana informa que “cresce o anti-semitismo no Brasil”. Perguntei: Como sabem? “Pelas perguntas capciosas de não-judeus, a cobertura tendenciosa da mídia, as cenas de destruição em Gaza com cenas de crianças sendo carregadas às pressas a ambulâncias com a meia lua crecente, símbolo da Cruz Vermelha muçulmana pintada no lado de fora, etc. Só não se vê terroristas do Hamas atirando. O repórter que entra em Gaza sabe que tem que filmar com cuidado para não perder a credencial de jornalista.
Salvo alguns comentaristas mais inteligentes, (e aqui dou parabéns ao pregador Malafaia que viu o que poucos viram e botou a boca no trombone) ninguém consegue ser um pouco mais rigoroso em sua crítica ao Hamas. Vê-se que são cenas escolhidas a dedo por dirigentes do Hamas para serem expostas na mídia mundial. E confesso a minha surpresa com o sucesso da campanha anti Israel promovida pelo Hamas. Em minha ingenuidade jamais imaginei que entre os terroristas muçulmanos de Gaza havia tão bons especialistas em relações públicas. Por outro lado, muitos judeus se queixam da falta de melhor campanha de R.P. (Relações Públicas) por parte de Israel.
Por sorte, aqui no prédio onde moro vive também um conhecido especialista no setor de RP que aparece muito na TV. Aproveitei uma entrada coletiva no abrigo anti-aéreo do edifiício na semana passada afim de perguntá-lo porque Israel havia relaxado tanto neste setor (RP). Sua resposta não me surpreendeu. Disse que o setor do governo que mais está trabalhando nesta guerra, com a exceção óbvia dos militares, é exatamento o de Relações Públicas. Porque não vemos melhores resultados? perguntei. Sua resposta foi um pouco longa, mas resumirei: “não há nada mais difícil atualmente que colocar filmes pró-Israel nas redes internacionais de TV. (CNN, BBC, France24, Fox, Al Jezzira, etc). “São anti semitas, perguntei me fingindo de bobo. “Não necessariamente. Depende do diretor de conteúdo da estação presente naquele momento. Com a BBC temos mais problemas e não sei explicar porque. A CNN é mais razoável, assim como a France24. A Fox, pelo contrário, é super favorável a Israel e seu correspondente aqui manda o ângulo israelense com frequência. (Isto eu vejo). Já com a Al Jezzira do Qatar é perda de tempo já que pertence a um país árabe que apoia o Hamas”.

Do Blog Diretamente de Israel, publicado com autorização do autor

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s