Parashat Ki Tavô: Os talentos e capacidades do ser humano são inatos ou aprendidos?

Rabino Uri Lam

Rabino Uri Lam

A discussão sobre se o indivíduo já vem com uma “configuração original de fábrica pré-programada” ou se nasce como uma tabula rasa, com tudo par aprender − em outras palavras, se seus talentos são herdados ou aprendidos − faz parte de memoráveis debates na história da filosofia, da psicologia, da medicina e da educação. Os psicólogos comportamentais clássicos afirmavam se os pais lhes confiassem uma criança bem pequena para educar, fariam dela o que os pais quisessem: um médico ou uma engenheira, uma pessoa mais liberal ou mais conservadora, e assim por diante; todo comportamento é aprendido, diziam. Por outro lado, sempre há aqueles que defendem a importância dos talentos herdados. Há quem diga que certas capacidades foram herdadas geneticamente, outros que se trata de herança espiritual, vinda dos pais, ou até de um povo inteiro.

A leitura da Torá desta semana incorpora justamente a tensão entre o herdado e o aprendido. Ela inicia com “Quando você chegar à terra que o Eterno seu Deus lhe dá por herança, e você a herdar” (Deut. 26:1) e termina com “guardem os ditos desta aliança e os coloquem em prática, a fim de aprenderem em tudo o que fizerem” (Deut. 29:8). A palavra usada para “aprender”, taskilu, não é a mais comum de se encontrar na Torá. Ao procurar no dicionário, encontrei diversas definições para sua forma substantiva, haskalá: educação, escolaridade, conhecimento, sabedoria, erudição, iluminismo.

Haskalá

Este foi o nome do movimento surgido entre os séculos 18 e 19, conhecido como o Iluminismo Judaico. Nos tempos em que os judeus receberam o direito de deixar os guetos, nas épocas em que nossos antepassados lutaram por direitos iguais e de cidadania nos países em que viviam, os idealizadores de uma sociedade que integrasse os judeus entre seus cidadãos ficaram conhecidos como maskilim. O Iluminismo Judaico influenciou de forma decisiva em nossas vidas até hoje como judeus no mundo moderno, independente de nossas inclinações religiosas.

Do debate sobre a vida judaica emancipada, podemos dizer que surgiram três tendências principais:

1) a dissolução na sociedade maior, com elevado índice de assimilação das novas culturas no país natal e abandono da herança judaica;

2) o movimento sionista para a criação de um estado independente em que os judeus pudessem ser livres em uma nação em igualdade de condições com as demais nações;  e

3) um processo de integração à cultura maior, mas com a preservação dos valores judaicos herdados. Desta última surgiram diversos movimentos que buscaram e ainda buscam responder ao desafio de se viver como judeu no mundo moderno, seja no Estado de Israel, como parte das nações do mundo, seja como judeus que vivem como minorias em seus respectivos países. Estes diversos caminhos, dos mais ortodoxos aos mais heterodoxos, dos mais fundamentalistas aos mais progressistas, buscam, cada um ao seu modo, dar a melhor resposta para lidar com a tensão entre a nossa herança judaica herdada e o mundo que nos rodeia e do qual fazemos parte.

Entre o primeiro e último versículos da leitura da nossa parashá temos a relação de tensão entre o herdado e o aprendido. Há inúmeras técnicas de como lidar com esta tensão: escrever o que se herdou, cumprir rituais, explicar bem, escutar, apreender, praticar. Esta tensão constante me faz ler o termo taskilu, no último versículo de nossa leitura, principalmente como a prática de iluminar. O aprendizado, o estudo, o debate travado em cada geração em cada local joga sempre uma nova luz sobre Israel, nossa terra, tradição e herança, fazendo com que a vejamos por novos ângulos e possamos enxergar algo que não havíamos visto antes.

Não é fácil lidar com tensões. Por outro lado, ao lidar com conflitos, nós nos sentimos vivos e nos desenvolvemos, como pessoas e como judeus. Nas palavras de Maimônides, a versão de uma das bênçãos anteriores ao Shemá, em sua obra Mishnê Torá (Sefer Ahavá, Seder Hatefilá 9): “Dê aos nossos corações a capacidade de entender, iluminar: escutar, aprender e ensinar, apreender e colocar em prática, e cumprir todos os ditos do estudo da Tua Torá com amor.”

 
Rabino Uri Lam

SIB – Sociedade Israelita da Bahia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s