Parashat Tetzavê

Marcos “Moti” Wanlerley

Parashat Tetzave

Shemot (Êxodo) 27:20 30:10 – Haftará Ezequiel 43:10-27

Tetzavê significa “Ordenarás”

Nesta porção, o Eterno continua determinando os princípios e detalhes da preparação do Serviço Religioso no Tabernáculo, começando pelo azeite de oliveira para acender a lâmpada contínua – Menorá. Arão que é o sumo sacerdote e seus filhos Nadav e Avihú, Elazar e Itamar são os descendentes com estatuto perpétuo. Vestimentas especiais são confeccionadas: peitoral, efod (uma vestidura mais curta, de ouro, azul, púrpura, escarlate e branco), manto, túnica com cavidades, testeira e cinto para os sacerdotes. A parashá descreve os detalhes que são feitas com arte, com perfeição e dedicação. Pedras preciosas são usadas e linho e ouro.

No peitoral do juízo os Urim e os Tumim ficam sobre o coração de Arão em sua vinda diante do Eterno. Urim e Tumim eram 12 pedras preciosas afixadas no peitoral usado pelo Cohen Gadol, nas quais estavam gravados os nomes das tribos. De acordo com o Zohar, os Urim e os Tumim eram os Nomes de D’us de 42 e de 72 letras, colocados nas dobras do peitoral, que faziam com que as letras gravadas nas pedras se acendessem sequencialmente, de modo a emitir uma resposta a uma pergunta feita pelo Sumo Sacerdote. Importante também é o Tzitzit de ouro puro com gravura talhada ‘Santidade ao Eterno’ e muitos outro detalhes. A vestimenta também evidencia a importância da vestimenta de forma bem descente para servir no lugar de Santidade diante do Eterno. Para santificação ao Eterno ainda tem o azeite de unção, o sacrifício do novilho e o sacrifício do carneiro cada um com um objetivo diferente realizando a expiação pelo altar durante sete dias e todo aquele que tocar o altar se santificará. O Eterno afirma que morará entre os filhos de israel e será D’s para eles lembrando que nos tirou da Terra do Egito para morar entre nós – “Eu, o Eterno, seu D’s”. A parashá termina relatando que Arão fará expiação uma vez por ano sobre os ressaltos do altar com o sangue do sacrifício de pecado do Dia do Perdão (Yom Kipur) por todas as vossas gerações. “Santidade de santidades é o altar para o Eterno”.

Os serviços religiosos de Shacharit e Minchá são descritos através das oferendas de um carneiro no altar do Mishkan (tabernáculo) com um sacrifício perpétuo… O Serviço Religioso através da reza também é um estatuto perpétuo que sustenta o nosso povo substituindo os sacrifícios do Tabernáculo e do Templo. Somos responsáveis uns pelos outros. A parashá demonstra a importância da nossa união para que tudo seja realizado no serviço religioso e também a sobrevivência do povo e, através da proteção Divina, nossa existência também transmite a ideia de perpetuidade. Observe a importância de nossa devoção ao Eterno que é uma relação vivência próxima e familiar como de um pai que cuida de um filho. O Eterno toma para si a responsabilidade de cuidar do povo de Israel delegando funções, objetivos para cada um de nós. É importante salientar que não podemos abandonar nada do que diz respeito à nossa identidade enquanto povo de israel para que nunca nos desconectemos do Eterno. Aí está na nossa força, o nosso alicerce e nossa proteção e, consequentemente, a nossa libertação…

Shabat Shalom Umevorach

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s